18 de set de 2016

Transtorno de Ansiedade, e agora?


setembro amarelo
Eu queria escrever sobre ansiedade a dias mas não sabia por onde começar, aí eu decidi que vou ir falando das coisas conforme elas foram acontecendo comigo.

À dois anos quando eu tive a minha segunda filha eu disse que ia voltar a dieta e essas coisas tudo, criei até canal no youtube, porque poxa coisa mais fácil seguir uma reeducação alimentar, afinal eu já fiz isso uma vez (pra quem não sabe eu emagreci quase 60 depois que eu tive a minha primeira filha, só com reeducação alimentar aquei o video que eu explico) , mas algo não saiu como eu esperava,e  por vários meses; meu menor peso depois disso foi 103,00Kg em outubro de 2015 depois de uma dieta a base de proteina (não faça isso), depois disso voltei a comer normal e engordei 10 kg, e a partir daí eu me vi numa situação de Inicio de dieta, quebra de dieta, engordar , surtar porque engordou, comer muito, ver que fez merda e Inicio de dieta de novo.
O tempo foi passando e o peso estaganando, comecei a me sentir um lixo, comecei a perder a vontade de fazer coisas que eu sempre gostei de fazer ,como: ouvir música, tocar violão, desenhar, tomar banho, escovar os dentes e essas coisas. Nesse meio tempo eu sempre naquele ciclo de começar a dieta e encerrar antes de um mês; quando eu já tava pronta pra jogar a toalha comecei a conversar muito com um amigo meu que tem depressão e ele começou a me alertar sobre os perigos disso, começou a dizer que eu deveria procurar um médico porque pensar em morrer não é normal, se odiar não é normal, achar que todas as coisas na tua vida estão erradas não é normal, e eu sempre negando, dizendo que eu não era doente só era uma fracassada mesmo, mas ele repetiu tantas vezes que eu comecei a me observar, na verdade acho que eu só tive forças pra me observar por causa das conversas que tivemos, comecei a reparar o que se passava com a minha cabeça durante os dias , conforme as horas se arrastavam, e comecei a achar interessante as descobertas que eu fazia, reparei que nos momentos antes de eu comer compulsivamente acontecia sempre o mesmo fenômeno:Ficava parada normalmente no trabalho, até que de repente eu era afetada por fator externo ,um prazo de entrega de serviço que estourava, ou uma resposta que não vinha, um telefonema que eu tinha que fazer , porque eu odeio falar no telefone, e com isso vinha um aperto no peito, uma angustia, um vontade de chorar, de gritar, de sair correndo e me trancar no meu quarto, e também uma vontade de comer, então eu comia, podia ser qualquer coisa desde uma guloseima a um pedaço de pão dormido com agua, eu comia porque me parecia a coisa menos escandalosa a se fazer; foi aí que conversando com um outro amigo eu comentei isso com ele e ele disse para eu pesquisar por transtorno de ansiedade, pesquisei, achei que tudo se encaixava perfeitamente então vi uma luz no fim do túnel, pensei em ir ao médico tomar remédios e pronto, problema resolvido, então marquei médico no mesmo dia, chegando lá contei pra ele o que tava acontecendo desde que eu nasci, passando pelas gravidezes, crises financeiras, crises de relacionamento, e que pensei muitas vezes em forjar uma tentativa de suicídio pra poder ficar no hospital e não precisar mais ir pro trabalho, ele conversou comigo disse que a ansiedade tava me levando a depressão e que se eu não tivesse procurado ajuda poderia ter sido bem pior, porém decidimos que como eu amamento eu não vou tomar remédios por enquanto, porque não pode, óbvio, e enquanto isso vou parar de esperar resultados na balança, vou cuidar a alimentação e os hábitos mas não vou ficar preocupado em perder peso pra não gerar mais ansiedade, vou ir em consultas mensais pra conversar e ver se estou progredindo e aguardar a minha terneirinha largar a teta pra poder fazer o tratamento correto e assim ficar saudável de vez.

Por tudo isso eu vi como eu fui inocente e inconsequente me preocupando só com a saúde física e esquecendo a saúde mental, eu podia não estar mais aqui escrevendo isso.

Estamos no mês de prevenção ao suicidio e eu quero deixar aqui o meus comentários dedicados pra quem precisar conversar, porque se não fosse as conversas com os meus amigos eu não teria procurado ajuda, nem saberia que era uma doença, então quero dizer que por mais que as pessoas impliquem com esse tipo de iniciativa, ela é importante sim, um ouvido disposto a ouvir o que uma pessoa ansiosa tem a dizer ajuda e muito.

É isso, até a próxima.




Um comentário:

Deixe seu palpite aqui,será muito bem aceito...Bjus♥